Categorias
Vida Sustentável

Cão paralisado estava prestes a ser sacrificado quando descobriram um carrapato em seu corpo

[ad_1]

Ollie, um cão de dez anos de idade da raça Pastor de Shetland ( ou Shetland Sheepdog / Sheltie), sempre foi um animal muito saudável. Ele adora correr e brincar ao ar livre, e ama quando sua família o leva para acampamentos.

Porém, depois da última viagem que fez com sua família, Ollie começou a ficar um pouco abatido. Seus pais, Al e Joelle Meteney, o levaram imediatamente ao seu médico veterinário, que fez vários testes no animal, todos sem sucesso.

Os exames não revelaram absolutamente nada, mas Ollie piorava. Em pouco tempo o animal estava completamente paralisado, incapaz de comer ou até mesmo fazer suas necessidades sozinho, e ninguém conseguia encontrar o motivo ou uma causa para essa situação de Ollie.

O cãozinho fez vários exames e nada detectava o que ele tinha. (Foto: Reprodução / DoveLewis Emergency Animal Hospital)

O cãozinho fez vários exames e nada detectava o que ele tinha. (Foto: Reprodução / DoveLewis Emergency Animal Hospital)

Para os tutores do animal, que o amaram desde o primeiro momento, era muito triste vê-lo sofrer daquele jeito, e por isso, quando viram que o cão só piorava, eles tomaram a difícil decisão de colocar um fim em todo o sofrimento do cão. Era hora de sacrificá-lo.

O casal então levou o cão para o hospital veterinário DoveLewis Emergency Animal Hospital. Enquanto o Dr. Adam Stone e sua estagiária Neena Golden preparavam Ollie para o procedimento, Neena ficou fazendo carinho no animal, alisando atrás de suas orelhas para confortá-lo. E foi nesse momento que Neena sentiu um pequeno nódulo no cão. Era um carrapato que estava em local de difícil remoção.

Dr. Stone então se lembrou de uma raríssima doença chamada “paralisia do carrapato”, onde a saliva do carrapato entra no organismo do cão durante um período prolongado de tempo e causa problemas neurológicos. Casos dessa doença são bastante raros, e nem todos os veterinários são familiarizados a este problema.

Os cuidados para evitar carrapatos devem ser grandes, pois eles podem transmitir doenças muito graves e até causar a morte do animal. (Foto: Reprodução / DoveLewis Emergency Animal Hospital)

Os cuidados para evitar carrapatos devem ser grandes, pois eles podem transmitir doenças muito graves e até causar a morte do animal. (Foto: Reprodução / DoveLewis Emergency Animal Hospital)

Para confirmar se esse era mesmo o caso de Ollie, o carrapato deveria ser retirado e depois o cão ficar em observação por três dias, para ver se sua condição iria melhorar. Depois de o carrapato encontrado ter sido retirado pelos médicos, o pelo de todo o seu corpo foi tosado, para se certificar de que não existia mais nenhum outro parasita escondido em seus pelos.

O diagnóstico parecia ser um tiro no escuro, mas após uns dias em observação foi comprovado que ele estava 100% correto.

Na verdade, não foi preciso nem os três dias para que a melhorar de Ollie fosse notável. 10 horas após a retirada do carrapato, o cão já estava quase de volta a sua forma. Seus tutores ficaram extremamente emocionados com o progresso e a melhora de Ollie.

Ollie precisou ter seu pelo todo tosado para confirmar que não tinha mais nenhum parasita em seu corpo. (Foto: Reprodução / DoveLewis Emergency Animal Hospital)

Ollie precisou ter seu pelo todo tosado para confirmar que não tinha mais nenhum parasita em seu corpo. (Foto: Reprodução / DoveLewis Emergency Animal Hospital)

Por passar muito tempo ao ar livre, Ollie realmente estava suscetível a carrapatos, mas depois do grande susto seus pais estão ainda mais cautelosos e cuidadosos quanto a isso. De acordo com seu tutor, na ocasião do último acampamento, Ollie estava usando uma coleira contra carrapatos e pulgas, e por isso foi mais difícil de relacionar a doença do cão com esse tipo de parasita.

Graças ao raciocínio rápido dos veterinários do DoveLewis Emergency Animal Hospital Ollie está completamente curado e tem muitos mais viagens de acampamento e aventuras pela frente. E a partir de agora, os pais de Ollie vão tomar ainda mais medidas para protegê-lo de carrapatos.

 

Fonte: The Dodo

[ad_2]

Categorias
Vida Sustentável

Dogue Alemão abre janela e sobe no telhado para conhecer a nova vizinhança

[ad_1]

Nos Estados Unidos, a curiosidade de um cachorro fez com que ele fosse parar no telhado de sua casa!

A cena foi registrada pela radialista Wendy Steele, que também chamou os bombeiros para realizar o resgate do Dogue Alemão em segurança.

 

O Dogue Alemão se aventurou no telhado de sua casa! (Foto: Reprodução / BarkPost)

O Dogue Alemão se aventurou no telhado de sua casa! (Foto: Reprodução / BarkPost)

 

De acordo com Wendy, o cão se chama Ridick e seu tutor estava trabalhando quando ele resolveu se aventurar.

O tutor contou que o cachorro é muito esperto e consegue abrir portas e destrancar janelas. Por esse motivo, ele deixou Ridick e seu outro Dogue Alemão trancados no andar debaixo da casa, mas não foi suficiente para manter o pet longe de confusão!

 

Os bombeiros conseguiram levar o cão para dentro de casa. (Foto: Reprodução / Facebook / City of Middletown Professional Firefighters Local 1073)

Os bombeiros conseguiram levar o cão para dentro de casa. (Foto: Reprodução / Facebook / City of Middletown Professional Firefighters Local 1073)

 

[ad_2]

Categorias
Vida Sustentável

Cães dando uma ‘mãozinha’ para seus tutores

[ad_1]

O amor dos cães por seus pais humanos é incondicional. Eles estão ao nosso lado em todos os momentos e sempre dispostos a dar uma mãozinha!

Veja uma galeria de fotos de cachorros oferecendo a pata para seus tutores:

 

cachorro-pata-03

 

cachorro-pata-02

 

cachorro-pata-07

 

cachorro-pata-04

 

cachorro-pata-10,

 

Staff Sgt. Chopper IV, left, gives a high five to Chief Warrant Officer Stephen B. Giove after Chopper's retirement ceremony April 25 at the III Marine Expeditionary Force Band Hall on Camp Foster. The Okinawa-raised, mixed-breed dog served as the III MEF Band mascot for more than 10 years. Chopper IV was an important member of the band during community events. Pvt. Chopper V, a golden retriever puppy, succeeded Chopper IV. Giove is the officer in charge of the III MEF Band. (U.S. Marine Corps photo by Lance Cpl. Elizabeth A. Case/Released)

 

cachorro-pata-06

 

cachorro-pata-01

 

cachorro-pata-08

 

cachorro-pata-09

 

Fotos: Reprodução / BarkPost

[ad_2]

Categorias
Vida Sustentável

Equipe resgata cachorro que foi abandonado durante enchente nos Estados Unidos

[ad_1]

A vida de um cachorro ficou por um triz durante uma enchente nos Estados Unidos.

 

O cão no bote da equipe de resgate. (Foto: Reprodução / WMBF News)

O cão no bote da equipe de resgate. (Foto: Reprodução / WMBF News)

 

Por conta das fortes chuvas, o rio Brazos transbordou e obrigou os moradores de Rosenberg, no Texas, a deixarem suas casas. Infelizmente, alguns animais foram abandonados neste momento crítico.

Um cão foi encontrado acorrentado na varanda da frente de uma casa, o que impossibilitava sua tentativa de escapar da enchente.

 

O cachorro estava apenas com a cabeça para fora d`água. (Foto: Reprodução / WMBF News)

O cachorro estava apenas com a cabeça para fora d`água. (Foto: Reprodução / WMBF News)

 

Por sorte, uma equipe de resgate conseguiu salvar a vida do cachorro e ele foi levado à Humane Society.

Quando o pet foi retirado do local, a água já estava na altura de seu pescoço e ele provavelmente teria apenas mais alguns minutos de vida.

Assista o vídeo do resgate:

 

 

[ad_2]

Categorias
Vida Sustentável

Caminha para cães

[ad_1]

Todo cachorro merece ter seu próprio cantinho confortável para dormir. Que tal essa linda caminha da Minimall?

Com um design moderno e minimalista, a charmosa BabySlip imita a cama dos humanos.

 

Seu cão vai ter uma cama parecida com a sua! (Foto: Divulgação)

Seu cão vai ter uma cama parecida com a sua! (Foto: Divulgação)

 

Além da beleza e funcionalidade, a Minimall se preocupa com o meio ambiente ao criar seus produtos.

Essa caminha é feita em MDF de madeira de reflorestamento, revestida com lâmina plástica ultra-resistente proveniente da reciclagem de garrafas PET.

Comprando uma BabySlip tamanho P você está retirando 32 garrafas PET da natureza!
Comprando uma BabySlip tamanho M você está retirando 48 garrafas PET da natureza!

Por ser revestida de plástico, o produto é muito resistente a umidade e possui fácil manutenção. Pode ser higienizado com um pano úmido e detergente neutro.

 

Dimensões da BabySlip tamanho P. (Foto: Divulgação)

Dimensões da BabySlip tamanho P. (Foto: Divulgação)

 

Sua montagem é simples e rápida. Todas as peças são encaixadas sem a necessidade de ferramentas. Possui um manual de montagem que acompanha o produto.

A BabySlip já vem acompanhada do colchão.

São duas opções de tamanho, que estão disponíveis em cinco cores.

A BabySlip está à venda na Doguim.

Para saber maiores detalhes e comprar a BabySlip P, acesse: https://doguim.com.br/produto/caminha-para-caes-e-gatos-babyslip-minimall-tamanho-p/.

Para adquirir a BabySlip M, acesse: https://doguim.com.br/produto/caminha-para-caes-e-gatos-babyslip-minimall-tamanho-m/

 

BabySlip M. (Foto: Divulgação)

BabySlip M. (Foto: Divulgação)

 

[ad_2]

Categorias
Vida Sustentável

Policial encontra filhote de cão abandonado e fica ao seu lado até ele estar seguro

[ad_1]

Pequeno filhote de cachorro, uma mistura das raças Pit Bull e Boxer, estava abandonado e vagando sozinho pelas ruas, até que um atencioso e amoroso policial o encontrou.

Kareem Garibaldi, oficial do Departamento de Polícia de Lakeland, na Flórida, encontrou uma pequena filhote de cão solitária vagando por um bairro da cidade, enquanto estava em uma patrulha nas primeiras horas da manhã de um sábado.

Filhote foi encontrada pelo policial Kareem Garibaldi vagando sozinha pelas ruas da Flórida. (Foto: Reprodução / Connie Johnson)

Filhote foi encontrada pelo policial Kareem Garibaldi vagando sozinha pelas ruas da Flórida. (Foto: Reprodução / Connie Johnson)

O cão não estava usando coleira e nem um tipo de identificação, sendo assim o oficial não foi capaz de rastrear seu proprietário. Então, para não deixar a pequena filhote novamente sozinha na rua, ele a levou para o seu departamento e depois para sua casa quando o seu turno terminou.

No dia seguinte, ele tentou mais uma vez para encontrar o dono do cachorro, mas novamente sem sucesso. Na manhã do terceiro dia, depois de seu terceiro turno de 12 horas, Garibaldi levou o cachorro para o SPCA Flórida para conferir como estava a saúde do cãozinho.

A partir do momento que encontrou o cão, o oficial não saiu do seu lado. (Foto: Reprodução / Connie Johnson)

A partir do momento que encontrou o cão, o oficial não saiu do seu lado. (Foto: Reprodução / Connie Johnson)

Ao chegar ao SPCA Flórida, o gerente de rede de segurança do abrigo, Connie Johnson, ficou tocado ao ver o quanto o oficial estava se dedicando ao bem estar do  pequeno cão que sob seus cuidados.

“Eu entrei no abrigo e foi quando eu os vi. O policial estava exausto, o cachorro estava exausto e eles estavam dormindo. Era um daqueles momentos em que simplesmente toca seu coração. O homem estava realmente determinado a conseguir ajuda para o animal”, disse Connie ao site The Dodo.

Garibaldi esperou por mais três horas, enquanto os veterinários avaliavam o cão, que, retirando alguns ácaros, estava em boa saúde.

Mesmo cansado após seus turnos, a preocupação do oficial era manter o cãozinho bem. (Foto: Reprodução / Connie Johnson)

Mesmo cansado após seus turnos, a preocupação do oficial era manter o cãozinho bem. (Foto: Reprodução / Connie Johnson)

“O policial teve uma atitude realmente muito altruísta. Ele não estava pensando em chegar em casa para dormir. Ele estava pensando sobre o que ele poderia fazer para ajudar este filhote de cachorro”, falou Connie.

Após o check-up, Garibaldi levou o filhote de cachorro de volta para a delegacia, e é aí que a história toma um rumo ainda mais feliz, foi na delegacia que um despachante viu o cachorro e se apaixonou. Hope, nome que a cadelinha recebeu depois, foi adotada naquele mesmo dia.

Graças aos cuidados do policial, A cadelinha, que hoje se chama Hope, foi adotada. (Foto: Reprodução / Lakeland Police Department)

Graças aos cuidados do policial, a cadelinha, que hoje se chama Hope, foi adotada. (Foto: Reprodução / Lakeland Police Department)

O ato altruísta de Garibaldi e os cuidados que ele teve para manter a segurança da pequena Hope lhe rendeu muitos elogios.

“São oficiais de bom coração como este que tornam o Departamento de Polícia de Lakeland verdadeiramente único”, escreveu um dos colegas de Garibaldi no Facebook.

[ad_2]

Categorias
Vida Sustentável

Rainha da Inglaterra posou para capa de revista na companhia de seus cães

[ad_1]

A rainha da Inglaterra é apaixonada por seus corgis. Então, é claro, que eles não poderiam ficar de fora da comemoração de seu aniversário.

A fotógrafa Annie Leibovitz fez uma série de retratos para marcar os 90 anos da Rainha Elizabeth II e o resultado pode ser visto na edição de junho da revista britânica Vanity Fair.

Annie contou que o ensaio foi feito de acordo com as ideias sugeridas pela rainha. Ela pediu para ser fotografada com seus netos e bisnetos, seu marido, sua filha e seus cachorros.

Os cães da foto são: Holly (no colo dela), Willow, Vulcan, e Candy (da esquerda pra direita).

Uma curiosidade é que Vulcan e Candy são dorgis, uma mistura de corgi com dachshund. Isso aconteceu porque um de seus corgis cruzou com uma dachshund que pertencia à sua irmã, a princesa Margaret.

 

(Foto: Reprodçução / Vanity Fair)

(Foto: Reprodçução / Vanity Fair)

 

[ad_2]

Categorias
Vida Sustentável

Cachorra faz sucesso na Internet por ser muito parecida com uma raposa

[ad_1]

Você já imaginou qual seria o resultado da mistura entre um Husky Siberiano e um Lulu da Pomerânia? Provavelmente, nem todos cães ficariam iguais, mas uma cachorra chamada Mya nasceu incrivelmente parecida com uma raposa!

A grande semelhança surpreende e a cadela está fazendo sucesso no Instagram (@myathepomsky).

Veja algumas fotos de Mya:

 

Muitos ficam na dúvida se é uma cachorra ou uma raposa! (Foto: Reprodução / Instagram)

Muitos ficam na dúvida se é uma cachorra ou uma raposa! (Foto: Reprodução / Instagram)

 

Mya passeando. (Foto: Reprodução / Instagram)

Mya passeando. (Foto: Reprodução / Instagram)

 

Mya chama atenção nas redes sociais. (Foto: Reprodução / Instagram)

Mya chama atenção nas redes sociais. (Foto: Reprodução / Instagram)

 

A cachorra é uma mistura de Husky Siberiano com Lulu da Pomerânia. (Foto: Reprodução / Instagram)

A cachorra é uma mistura de Husky Siberiano com Lulu da Pomerânia. (Foto: Reprodução / Instagram)

 

Mya quando ainda era filhote. (Foto: Reprodução / Instagram)

Mya quando ainda era filhote. (Foto: Reprodução / Instagram)

 

[ad_2]

Categorias
Vida Sustentável

Raposa órfã encontra amor em uma cadela resgatada

[ad_1]

Fergie é uma pequena raposa que foi encontrada na Austrália ainda bebê. Ela estava sozinha em uma área cheia de mato. Não se sabe se ela foi abandonada ou se havia perdido sua mãe, mas ela agora estava órfã.

A pessoa que a encontrou não tinha certeza de que tipo de animal ela era, mas mesmo assim a levou para um veterinário local, Rachel Parker, fundador do Greener Pastures Sanctuary, um abrigo de animais chamados de fazenda, como ovelhas, cavalos, porcos, e etc.

A raposinha Fergie foi encontrada sozinha em uma área de mato. (Foto: Reprodução / Rachel Parker)

A raposinha Fergie foi encontrada sozinha em uma área de mato. (Foto: Reprodução / Rachel Parker)

Porém, manter a raposinha e encontrar um local para ela viver era um problema, pois esses animais são considerados uma praga na Austrália e ameaçam a vida de outros animais.

“Depois de pedir permissão para o guarda-florestal local, para mantê-la, fomos capazes de construir um grande recinto para ela e dar-lhe um lar”, disse Rachel Parker ao site The Dodo.

para não ficar sozinha, a raposa foi apresentada a cadela (Foto: Reprodução / Rachel Parker)

Para não ficar sozinha, a raposa foi apresentada a cadela Faith. (Foto: Reprodução / Rachel Parker)

Por Fergie ser a única raposa no santuário, Rachel contou ter ficado preocupada em que ela permanecesse muito tempo sozinha, crescendo separada de todos os outros animais e sem a companhia de um amigo próximo. Então, Rachel decidiu apresentar a raposa, agora com sete meses de idade, a Faith, uma cadela resgatada que vivia no abrigo.

Faith tem 11 anos de idade e já tinha ajudado gatinhos, leitões e cordeiros órfãos que já viveram no santuário. Ela foi resgatada de uma clínica onde seria sacrificada, com apenas 12 semanas de idade.

Faith, que já ajudou gatinhos e cordeiros, agora está ajudando a raposa. (Foto: Reprodução / Rachel Parker)

Faith, que já ajudou gatinhos e cordeiros, agora está ajudando a raposa. (Foto: Reprodução / Rachel Parker)

Por ter uma afinidade natural com animais de outras espécies, além de paciência e muito carinho para dar, Rachel achou que Faith seria a companhia ideal para travessuras e demandas de atenção que a hiperativa Fergie requeria.

Fergie parece estar sempre ligada, ela só quer correr e brincar. Enquanto isso, Faith é só calmaria. Mas Fergie não desistiu de tentar levá-la para brincar. Ela salta ao redor e corre para trás e para frente de Faith. Fergie vai pegar os brinquedos e os joga para Faith com grandes esperanças de que ela entre na brincadeira.

O relacionamento de Fergie e Faith ainda está brotando e um ato de equilíbrio, mas não é completamente unilateral. Parker disse que Faith não gosta muito de brincar de “perseguir a bola” com Fergie, porém ela sempre dá atenção para a raposinha.

Apesar de Faith ser bem calma e Fergie bastante elétrica, as duas se dão muito bem. (Foto: Reprodução / Rachel Parker)

Apesar de Faith ser bem calma e Fergie bastante elétrica, as duas se dão muito bem. (Foto: Reprodução / Rachel Parker)

“Fergie é um bebê 7 meses de idade muito danado. Faith ainda terá bastante trabalho com ela”, disse Rachel, acrescentando que espera que o lado zen da Faith acabe contagiando a elétrica Fergie.

[ad_2]

Categorias
Vida Sustentável

Pulseira e berloques Vida de Bicho

[ad_1]

Com a pulseira e os berloques da coleção Vida de Bicho, você pode demonstrar toda sua paixão pelos pets ao mundo.

São diversos modelos diferentes de pingentes para adquirir e deixar sua pulseira com a sua cara!

 

Pulseira e berloques da coleção Vida de Bicho. (Foto: Fabricio Ladeira)

Pulseira e berloques da coleção Vida de Bicho. (Foto: Fabricio Ladeira)

 

A pulseira bracelete é banhada em prata e está disponível em quatro tamanhos diferentes. É importante medir seu pulso antes de adquirir.

Os berloques são banhados em ouro ou prata.

Todas as semi-jóias da Flor de Prata são anti-alérgicas, porque não têm níquel de bijouteria. São dois banhos de ouro 18k ou de prata pura.

Conheça e adquira esses produtos na loja Doguim.com.br.

Para comprar a pulseira, clique aqui.

Para conhecer os diversos berloques Vida de Bicho, clique aqui.

Alguns dos berloques da Flor de Prata. (Fotos: Divulgação / Montagem: Portal do Dog)

Alguns dos berloques da Flor de Prata. (Fotos: Divulgação / Montagem: Portal do Dog)

 

[ad_2]

Categorias
Vida Sustentável

Cão cego encontra irmão mais velho perfeito para lhe ajudar

[ad_1]

Batty é um Buldog que nasceu cego. Por conta desse problema, foi abandonado em um abrigo pelo próprio tutor com apenas cinco meses de idade. Porém, apesar de um começo de vida complicado e triste marcado pelo abandono, que pode causar cicatrizes maiores do que a cegueira, o cão está finalmente tendo a vida que merece em um lar que o desejou e vai amá-lo para sempre.

O cão, que provavelmente é fruto de um criadouro de quintal e ilegal, chegou ao Sacramento SPCA (SSPCA), um abrigo na Califórnia, há cerca de dois meses coberto em suas próprias fezes, além disso, o animal tinha ainda um grande abscesso no queixo.

O cãozinho foi abandonado aos cinco meses por ser cego. (Foto: Reprodução / Sacramento SPCA)

O cãozinho foi abandonado aos cinco meses por ser cego. (Foto: Reprodução / Sacramento SPCA)

Porém, após receber todos os cuidados dos quais necessitava, Batty passou de um cão negligenciado a um filhote de cachorro mais confiante e feliz. Ele aprendeu muitas coisas e recebeu presentes e apoio de muita gente depois que sua história passou a ser conhecida na internet.

No final de abril, após exames com um veterinário, foi detectado que o problema de visão de Batty é raro e de nascença e que ambos os seus olhos foram afetados. Porém, como a problema não lhe causa nenhum tipo de dor ou incômodo, foi decidido que não seria necessário retirar os olhos do cão.

Exames detectaram que a cegueira de Batty é permanente, mas que não causava dor e nem incômodos, não sendo necessário retirar seus olhos. (Foto: Reprodução / Sacramento SPCA)

Exames detectaram que a cegueira de Batty é permanente, mas que não causava dor e nem incômodos, não sendo necessário retirar seus olhos. (Foto: Reprodução / Sacramento SPCA)

Agora, só faltava Batty encontrar uma família que o amasse de verdade e quisesse cuidar dele para sempre. E foi o que aconteceu.

Batty acaba de ser adotado por uma família que vai saber cuidar dele muito bem, pois eles já possuem um outro cão cego chamado Sotiras. A família viajou do estado onde vive, Wisconsin, até Sacramento, na Califórnia, para buscar Batty.

Batty finalmente encontrou uma família que vai lhe dar todo o amor e cuidado que ele merece.(Foto: Reprodução / Sacramento SPCA)

Batty finalmente encontrou uma família que vai lhe dar todo o amor e cuidado que ele merece.(Foto: Reprodução / Sacramento SPCA)

Como logo se constatou, Batty e Sotiras eram uma combinação perfeita e o irmão mais velho, e já mais experiente, vai ajudar bastante o novo membro da família a viver bem e feliz, apesar da cegueira.

Com a nova família Batty ganhou também um irmão cão cego, que vai lhe ajudar em toda a adaptação no novo lar. (Foto: Reprodução / Sacramento SPCA)

Com a nova família Batty ganhou também um irmão cão cego, que vai lhe ajudar em toda a adaptação no novo lar. (Foto: Reprodução / Sacramento SPCA)

“Ele é absolutamente maravilhoso. Cheio de amor e adora abraços e brincadeiras”, disse Cassidy Kraus, um dos novos pais de Batty. “Assim que o vimos pela primeira vez, no Facebook, sabíamos que ele era a peça que faltava para nossa família”, concluiu ela.

[ad_2]

Categorias
Vida Sustentável

Por que temos vontade de apertar cães fofinhos?

[ad_1]

Sabe quando você vê um cachorro muito fofo e vem aquela vontade incontrolável de abraça-lo bem apertado? Esse fenômeno já foi tema de um estudo realizado nos Estados Unidos e recebeu o nome de “agressão fofa”.

Pesquisadores mostraram fotos “fofas”, “engraçadas” ou “neutras” de cães para 109 pessoas.

Então, os participantes da pesquisa tinham que responder se concordavam com algumas afirmações como “eu não consigo lidar com isso”, “é tão fofo, eu quero morrer!” ou se queriam agarrar o pet. Quanto mais fofo era o animal, mais agressiva era a resposta.

 

(Foto: Reprodução / Bark Post)

(Foto: Reprodução / Bark Post)

 

Rebecca Dyer, estudante de psicologia da Universidade Yale, liderou o estudo em 2013 e falou sobre esse resultado:

 

Nós pensamos que é sobre um efeito altamente positivo, uma orientação de aproximação e quase uma sensação de perda de controle. É tão adorável que te deixa louco.

 

Para saber se essa agressão era apenas verbal ou se as pessoas realmente iriam esmagar animais ou bebês lindos, os pesquisadores realizaram um segundo experimento. Os voluntários receberam um pedaço de plástico-bolha para apertar enquanto viam mais algumas fotos.

Ao ver imagens de animais fofinhos, as pessoas estouraram cerca de 120 bolhas. E, quando viram fotos engraçadas ou neutras, elas estouraram entre 80 a 100 bolhas.

Diante desses experimentos, Rebecca sugeriu que uma das razões para a “agressividade” acontece porque queremos cuidar do animal ou bebê bonitinho. Mas, como se trata de uma foto e não podemos tocar nele de verdade, acabamos ficando frustrados.

Ela também acredita que existe uma segunda possibilidade: às vezes, vemos algo que traz um bom sentimento de uma maneira negativa, como chorar de felicidade. É como se o excesso de fofura fosse demais para nós e essa vontade agressiva seria uma maneira inconsciente de controlar a alta energia disparada em nosso corpo diante de cenas fofas.

 

 

 

Fonte: PopSci

[ad_2]

Categorias
Vida Sustentável

Bijuterias adesivas para cães

[ad_1]

As bijuterias adesivas da Pity Biju são uma ótima maneira de realçar a beleza natural de cães e gatos sem causar nenhum estresse. E podem ser usadas por pets de pelos curtos ou longos.

A marca é pioneira no ramo e garante a qualidade de seus produtos.

Por serem leves e maleáveis, as bijuterias adesivas são confortáveis para cães e gatos porque eles praticamente não sentem que estão usando.

 

A poodle Pity é a mascote da marca. (Foto: Karina Sakita)

A poodle Pity é a mascote da marca. (Foto: Karina Sakita)

 

São diversas opções de modelos, cores e tamanhos para embelezar seu animal de estimação!

Temos kits especiais em nossa loja online Doguim! Para conhecer melhor e comprar, clique aqui.

 

Lola usando o Conjunto Coroa Real do Kit Realeza. (Foto: Karina Sakita)

Lola usando o Conjunto Coroa Real rosa do Kit Realeza. (Foto: Karina Sakita)

 

Lola usando Fivela Estrela roxa do kit Menina Moça. (Foto: Karina Sakita)

Lola usando Fivela Estrela roxa do kit Menina Moça. (Foto: Karina Sakita)

 

[ad_2]

Categorias
Vida Sustentável

Mulher se machuca ao cair de penhasco e sua cachorra desce para ajudar

[ad_1]

Dina Wuest estava acampando com sua cachorra Bonnie quando decidiu fazer uma caminhada e caiu de um penhasco nos Montes Tartarua, na Nova Zelândia.

Ela quebrou a perna por causa da queda e não conseguia sair do local sozinha. A cadela ficou no alto do penhasco e carregava uma mochila com alguns pertences, incluindo um celular.

 

Bonnie com sua mochila. (Foto: Reprodução / The Dodo)

Bonnie com sua mochila. (Foto: Reprodução / The Dodo)

 

Bonnie percebeu que sua tutora estava em perigo e conseguiu descer para ajudar. De acordo com Dina, a cachorra desceu pela lateral do penhasco, que era a parte menos íngreme.

Com o celular em mãos, ela conseguiu ligar para pedir resgate. Enquanto guardava a equipe chegar, a cachorra se recusou a sair de perto dela.

Agora, Dina está se recuperando e atribui sua sobrevivência à Bonnie.

 

Dina Wuest estava acampando com sua cachorra Bonnie. (Foto: Reprodução / The Dodo)

Dina Wuest estava acampando com sua cachorra Bonnie. (Foto: Reprodução / The Dodo)

 

Fonte: The Dodo

[ad_2]

Categorias
Vida Sustentável

BAC recebe certificação internacional em intercâmbio com membros do RAID (Polícia Francesa)

[ad_1]

O BAC vem realizando treinamentos com os cães de faro de substâncias explosivas, a fim de aprimorar o trabalho e a eficácia nessa especialidade de faro, e nas ultimas semanas foram realizados testes; na Arena Futuro, um dos palcos do complexo olímpico da Barra, que receberá os atletas nas olimpíadas.

No auditório do Quartel General da PMERJ, local que foi simulado a recepção de autoridades e líderes em reuniões.

 

CHEF indicando suposto explosivo no treinamento no Aeroporto

CHEF indicando suposto explosivo no treinamento no Aeroporto

 

No aeroporto do Galeão, visando a máxima segurança destes locais que receberão grande número de pessoas  durante eventos como os jogos olímpicos 2016.

Foram empregados nesses treinamentos todos os alunos do curso CCCFAD (Curso de Condutores de Cães de Faro de Armas e Drogas), seus instrutores, comandantes e dois representantes da RAID (Unité de Recherche, assistance, intervention et dissuasion) força de elite da polícia Francesa, que possuem grande experiência em ocorrências de explosivos em locais de grandes concentrações de pessoas, e vieram avaliar e certificar nossos cães e contribuir para o aperfeiçoamento do trabalho com busca de substâncias explosivas.

 

Treino Q.G.- Foto Alex Lopes

Treino Q.G.- Foto Alex Lopes

 

A técnica empregada no treinamento consiste em dividir o local em quatro partes. É feita uma varredura preliminar, realizada pelos policiais, o em seguida o local é liberado para a atuação dos cães.

 

Treino Arena Futuro- Foto Alex Lopes

Treino Arena Futuro- Foto Alex Lopes

 

Nessa modalidade de faro, o BAC atualmente possui cinco cães: Nala, Aba, Delta, Chefe e Cléo, e com esse intercâmbio conjunto BAC/RAID obtivemos certificação internacional de faro de substâncias explosivas, garantindo assim a atuação deles na intensificação da segurança nos jogos olímpicos.

 

Varredura preliminar antes da passagem dos cães – Foto Alex Lopes

Varredura preliminar antes da passagem dos cães – Foto Alex Lopes

[ad_2]

Categorias
Vida Sustentável

Pit Bulls amorosos se derretem por sua mais nova irmãzinha

[ad_1]

Nós já falamos aqui sobre os irmãos Pikelet e Patty Cakes, dois cães da raça Pit Bull que são extremamente amorosos. Os animais, que vivem na Austrália, moram em uma casa que costuma dar lar temporário para vários animais até que eles sejam adotados.

Os cães já se acostumaram com isso e são completamente carinhosos com todos os “hóspedes” que passam por lá, fazendo amizade e cuidando de todos eles, mesmo os animais sendo de espécies diferentes.

Pikelet e Patty Cakes estão com uma nova irmãzinha, a leitoa Punk. (Foto: Reprodução / Instagram Life of Pkelet)

Pikelet e Patty Cakes estão com uma nova irmãzinha, a leitoa Punk. (Foto: Reprodução / Instagram Life of Pkelet)

Os irmãos Pikelet e Patty Cakes já ajudaram a cuidar de um par de patinhos e de um minúsculo filhote de cachorro chamado Potato. Agora, os cães estão ajudando a cuidar de uma nova irmãzinha, um leitão tão pequenino que mais parece de mentira.

Punk, como foi chamada a leitoa pela qual os cães já estão completamente apaixonados, veio de uma ninhada de leitões que estavam sendo vendidos pelo seu criador.

Os papais de Pikelet e Patty Cakes receberam a missão de dar lar temporário para Punk e ajudar a promover o pequeno animal na internet para ajudar a encontrar um lar definitivo e amoroso para a leitoa.

Punk está sendo muito bem cuidada pelos irmãos cães e recebendo muito carinho. (Foto: Reprodução / Instagram Life of Pkelet)

Punk está sendo muito bem cuidada pelos irmãos cães e recebendo muito amor. (Foto: Reprodução / Instagram Life of Pkelet)

“É horrível que as pessoas tenham vontade de comprar um leitão só para depois elas virem a abandoná-los ou até matar para comer esse pobre animal”, disse Calley, mamãe dos cães. Por isso, ela está bastante empenhada a encontrar alguém que esteja disposto a cuidar e amar Punk para o resto de sua vida.

Punk tem menos de um mês, mas já tem bastante personalidade. A convivência com os irmãos cães já fez com que a leitoa se tornasse fã de carinho, ela adora. Principalmente uma coçadinha em suas costas.

O amor entre os três animais é recíproco e a pequena leitoa já tem muito amor por seus irmãos mais velhos.

Com os novos irmãos Punk aprendeu como receber carinho é bom. (Foto: Reprodução / Instagram Life of Pkelet)

Com os novos irmãos Punk aprendeu como receber carinho é bom. (Foto: Reprodução / Instagram Life of Pkelet)

“Punk adora brincar de se jogar e subir em Patty e de seguir Pikelet por todo lugar”, contou Calley.

Mesmo sendo uma irmã bastante incomum, Pikelet e Patty Cakes a acolheram de patas abertas e vão dar a ela muito amor, até o momento em que ela tomar seu caminho.

 

Fonte: The Dodo

[ad_2]

Categorias
Vida Sustentável

Pit bull abandonada tinha tanto medo que precisava ser carregada no colo para sair do canil

[ad_1]

A cadela Roxy é uma pit bull de pelagem preta, o que significa que ela teria dificuldades em dobro para encontrar um lar.

Ela foi retirada das ruas de Los Angeles pela equipe de zoonoses local e poderia ser eutanasiada caso não fosse adotada logo.

Por sorte, a pit bull foi resgatada pela ONG Karma Rescue um mês depois.

Ninguém sabe dizer o que Roxy enfrentou quando morava na rua, se ela foi abandonada ou sofreu maus tratos, mas ela estava muito traumatizada. Ela ficava encolhida no canto de seu canil com a cabeça pra baixo e seu medo ficou ainda mais nítido quando a equipe da ONG tentou levar a cachorra para passear.

 

A cachorra tinha muito medo de todos. (Foto: Reprodução / The Dodo)

A cachorra tinha muito medo de todos. (Foto: Reprodução / The Dodo)

 

Assim que colocaram a coleira em Roxy, ela deitou no chão e se recusou a se mexer. Então, ela teve de ser carregada no colo para fora do canil. Nem mesmo o sol e a grama animaram a cachorra.

 

Nada conseguia mudar essa carinha triste.  (Foto: Reprodução / The Dodo)

Nada conseguia mudar essa carinha triste. (Foto: Reprodução / The Dodo)

 

Mas os voluntários da organização contaram com uma ajuda inusitada para conquistar a confiança da pit bull: um gato.

O felino estava no consultório veterinário da ONG e foi visto por Roxy através da janela. A cachorra demonstrou interesse pelo gato, mas não era de uma maneira agressiva. A equipe percebeu que ela o via de maneira amigável.

Então, os veterinários permitiram que os dois tivessem contato frequente sempre supervisionados. Os encontros foram tão bem sucedidos que a característica “se dá bem com gatos” foi adicionada à ficha da pit bull.

 

A cachorra encontrou um amigo felino na ONG.  (Foto: Reprodução / The Dodo)

A cachorra encontrou um amigo felino na ONG. (Foto: Reprodução / The Dodo)

 

E isso foi muito importante para a adoção de Roxy, porque ela foi escolhida por uma família com três gatos e um cachorro da raça Lulu da Pomerânia, que é bem pequeno.

Após alguns encontros para testar a harmonia entre os animais, a pit bull foi adotada.

 

Roxy com um de seus irmãos felinos.  (Foto: Reprodução / The Dodo)

Roxy com um de seus irmãos felinos. (Foto: Reprodução / The Dodo)

 

O lulu da pomerânia Kasey e a pit bull Roxy.  (Foto: Reprodução / The Dodo)

O lulu da pomerânia Kasey e a pit bull Roxy. (Foto: Reprodução / The Dodo)

 

Fonte: The Dodo

 

[ad_2]

Categorias
Vida Sustentável

Portal do Dog lança loja online Doguim

[ad_1]

É com grande satisfação que lançamos a Doguim, uma loja online para quem ama cachorro! O local ideal para quem busca produtos com design e qualidade para seu melhor amigo.

doguim-lancamento

O Portal do Dog, que é o maior veículo de comunicação voltado para cães da América Latina, sempre teve o intuito de levar entretenimento e conhecimento para todos que são apaixonados por cães. E, consequentemente, auxiliar cachorros e tutores a terem uma convivência cada vez mais harmoniosa e saudável.

A Doguim surge como uma maneira de complementar o trabalho do PdD, selecionando ítens que foram criados especialmente para nossos companheiros caninos. Afinal, todo tutor quer oferecer o melhor para seu pet.

Então, não perca tempo e venha conhecer a doguim.com.br!

[ad_2]

Categorias
Vida Sustentável

Homem salva cão desconhecido de se afogar em correnteza

[ad_1]

Em um mundo onde vemos tantas tragédias diariamente, notícias boas são sempre bem-vindas e escutar histórias de pessoas que ajudam a animais indefesos, verdadeiros heróis no mundo, acalenta de verdade os nossos corações já tão desacreditados.

Sara Melnicoff, tutora e apaixonada por sua velha e doce cadelinha Carli, de 13 anos de idade, pôde sentir o gostinho do que é receber a ajuda de um desses heróis anônimos.

No início deste mês, quando foi para sua caminhada diária ao longo de um riacho perto de sua casa em Utah, nos Estados Unidos, Sara quase perdeu Carli para sempre.

Carli é uma cadelinha idosa, de 13 anos de idade. (Foto: Reprodução / Sara Melnicoff)

Carli é uma cadelinha idosa, de 13 anos de idade. (Foto: Reprodução / Sara Melnicoff)

As chuvas recentes e a neve derretida tinham transformado o riacho em uma verdadeira correnteza, por isso, quando Carli se aproximou para beber um pouco de água, como sempre fazia, ela perdeu o equilíbrio e foi levada pela força da corrente.

Ao ver a cena Sara ficou desesperada e começou a gritar. Ela correu pela margem do rio tentando acompanhar Carli, mas não estava conseguindo, a correnteza eera rápida e forte.

“Eu pensei que o meu cão ia morrer”, Sara disse ao site The Dodo. “Mas naquele momento, quase que do nada, veio um homem correndo na minha direção. Ele viu o que estava acontecendo e foi ajudar imediatamente. Sem hesitações, nem nada. Dentro de meio minuto, ele tirou a blusa e a calça e mergulhou na água”, completou.

Lutando contra as corredeiras, o homem estava arriscando a própria vida para salvar o cão de um estranho, e seus esforços heroicos valeram a pena.

Homem não hesitou em salvar o cão desconhecido e pulou no riacho. (Foto: Reprodução / Sara Melnicoff)

Homem não hesitou em salvar o cão desconhecido e pulou no riacho. (Foto: Reprodução / Sara Melnicoff)

“Ele conseguiu pegar e a trouxe de volta para mim”, conta Sara emocionada. Apesar de abalada, Carli felizmente saiu ilesa do acidente. A primeira coisa que Sara fez foi abraçar o homem que salvou sua cadelinha. “Então eu perguntei o nome dele”, ela lembrou. “Seu nome é Bobby L’Heureux”.

Sara contou ainda que o homem dirige a Big Hearts Big Hands, uma organização sem fins lucrativos no Colorado, porém ele prefere continuar ajudando de forma anônima, sem se tornar famoso por conta disso.

“Ele é um pessoa muito boa. Ele é apenas um ser humano muito amável e gentil”, disse Sara bastante agradecida.

É esse tipo de fato e esse tipo de gente que ainda nos faz acreditar na humanidade! Parabéns, Bobby L’Heureux, você é um verdadeiro herói.

 

Fonte: The Dodo

[ad_2]

Categorias
Vida Sustentável

9 perguntas que devem ser feitas na primeira consulta veterinária

[ad_1]

Assim que um cachorro entra para a nossa família, devemos levar o pet ao veterinário para verificar como está sua saúde.

E é importante esclarecer todas nossas dúvidas sobre os cuidados que devemos ter com o cão, principalmente tutores de primeira viagem.

Veja 9 perguntas que devem ser feitas na primeira consulta veterinária do pet:

 

  1. O que devemos fazer hoje? Isso depende muito da idade, raça e estilo de vida (se o cão vivia em um abrigo, veio de um criador ou resgatado da rua). O veterinário irá informar se irá vacinar ou fazer qualquer outro procedimento.
  2. Quando devemos voltar? O veterinário vai passar as datas de retorno e é importante que você não esqueça.
  3. Quando o cachorro pode encontrar com outros cães? Os filhotes precisam tomar algumas vacinas antes de entrar em contato com outros cachorros. Quando são muito novos, ainda não estão protegidos contra doenças.
  4. Quais métodos preventivos contra doenças devo usar? O veterinário irá informar quais vacinas indicadas e remédios contra pulgas e carrapatos devemos utilizar no pet.
  5. Devo castrar o cachorro? Quando? Com tantos cachorros abandonados pelo mundo, a castração é algo de grande importância. Além disso, essa cirurgia traz benefícios para a saúde do cachorro.
  6. Meu cachorro pode ter problemas de saúde relacionados à raça? É possível saber quais problemas de saúde o cachorro tem uma maior probabilidade de ter de acordo com a raça. Sabendo disso, existem algumas maneiras de prevenir.
  7. Qual deve ser a alimentação? O alimento e a quantidade ideal para cada cachorro pode variar bastante. Manter o pet no peso adequado é importante para a saúde dele.
  8. Qual a quantidade de exercícios que meu cachorro precisa? Todo cachorro precisa se exercitar, mas a quantidade pode variar por diversos fatores como idade, tamanho e peso.
  9. O que o cão pode roer? Os cães adoram roer tudo que vêem pela frente, mas devemos incentivar que isso seja feito em seus brinquedos. E, mesmo assim, os brinquedos devem ser supervisionados com frequência, afinal qualquer pedaço engolido pelo pet pode trazer graves consequências.

 

(Foto: Reprodução / BarkPost)

(Foto: Reprodução / BarkPost)

 

Referência: BastPost

 

[ad_2]